segunda-feira, 20 de março de 2017

De malas prontas



Me vejo, agora, aos 18 anos, de malas prontas para sair da casa dos meus pais.

 Na adolescencia toda eu almejei a saída das casa de meus pais, e agora que me encontro de cara com essa realidade bate um desespero, medo e já uma saudade.
 Me preparo agora para iniciar a graduação no curso de Ciências Sociais na Unesp de Marília. Me lembro como se fosse ontem quando tive o primeiro contato com a Sociologia de fato no Ensino Médio. Aprendi ali sobre Robson Crusoé e todas as singularidades de cada cultura. Naquele primeiro ano eu só sabia que era aquilo que almejava pra mim. Acredito que seja essa vontade de todo o jovem de mudar o mundo de alguma forma. A vida é breve, sinto a necessidade de deixar minha contribuição.
 Não sei o que será de mim agora, por mais que eu seja uma pessoa muito planejada, nesse momento, estou deixando a vida preparar o melhor pra mim.
 Almejo conhecimento, paz interior, e conquistas.
 Começo agora minha pequena aventura.
 Até mais.

sábado, 29 de outubro de 2016

O dia em que algúem compos uma música para mim

 Ontem me mandou uma mensagem falando que precisava urgentemente falar comigo. Minutos depois ligou para mim, e quando atendi o violão já estava sendo tocado. Ela compos uma música para mim. Segue a letra:

Do meu amor 
Só vejo paz
No meu cais 
Só trás vapor 
Na lente 
Rente 
A minha dor 
Abraço constante 
Poesia sem papel 
Coisa linda 
Melodia 
Belos os olhos teus 

Não faz assim 
Não vá pra longe de mim 
Quando perceber irá voltar 
Vai voltar 

Verbo direto 
Ações bonitas 
Pra te fazer sorrir 
Encanta 
Ela 
Foi meu amor 
Foi meu amor 
Que me disse assim 
Que me disse assim 
Que a flor do campo é o alecrim 
Mas minha flor 
É tu pra mim

Obrigada, meu bem. Seguimos juntas. <3 

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Sobre você


 Ontem eu passei pela dor de saber que você estava mal e não poder estar ao seu lado. Nesse momento eu só ficava tentando te enviar boas vibrações pois era a única coisa que eu podia fazer no momento. E foi nesse momento que notei o quanto é importante para mim.
 Te vi pela primeira vez um um vídeo que uma amiga em comum nossa compartilhou no Facebook. Cantando um de suas composições "É preciso ver, para enxergar que me coração só sabe te esperar". Deixei um comentário: "Gente, que coisa mais linda." Até ali não sabíamos quem era quem, nem o que estava por vir. Meninas de luta, nos vimos pela primeira vez em uma manifestação. Eu te notei, não fazia a mínima ideia de quem você era, apesar de já ter visto o vídeo antes não te reconheci. Você diz ter me notado também. Mal sabíamos o que estava por vir. Logo após veio a solicitação de amizade no Facebook, imediatamente aceitei e vi seu perfil todo (aquele famoso stalker, não é mesmo? rs) me encantei, que menina incrível. A partir daí comecei a curtir/comentar tudo o que você publicava, tentando uma aproximação. Um dia te chamei no chat e logo nesse dia conversamos sobre minhas dores em relação a minha sexualidade e a religião do qual fui inserida desde criança. Você me ouviu e me falou coisas que acalmou a alma. Logo após você me deixou sem resposta sobre um coisa que você sabe o que é, rs. Os dias se passaram e não nos falamos mais, continuei comentando e curtindo suas coisas. Até que um dia você comentou em uma publicação minha "Mana, estarei em itape amanhã. Bora se encontrar?". Meu coração parou. Iríamos nos encontrar pela primeira vez sabendo que é quem. No dia seguinte nunca fui tão bonita na escola, as pessoas até notaram que eu estava diferente, rs. Sai da escola e você estava lá no portão. No momento minha ansiedade me mandou correr e fingir que não te viu. Mas uma amiga nossa estava perto de você, fui falar com ela apenas para me aproximar de você. Foi então que virei pra tu e disse "Oi!" E te dei um abraço. O dia seguiu, estávamos em um grupo de amigos, não havia conversa direta entre nós. Mas naquele dia você esperava outra pessoa. A "pitanguinha" que tu gostava muito. Nesse momento perdi todas as esperanças que poderia haver, você só queria saber de mim como conquistar uma Capricorniana, que era o signo da pitanguinha, mal sabia ela que já havia conquistado uma. Eu. O dia se passou e eu só conseguia me encantar pela forma que você defende seus ideais. Queria você ao meu lado pelo menos como amiga. Quis ir embora antes que a pitanguinha chegasse, e fui. Me despedi de você com uma dorzinha de saber que nunca te teria. Mas no dia seguinte  você me mandou uma mensagem. Eu tive um leve ataque cardíaco mas tentei agir como se tudo estivesse normal. "Mana, a pitanguinha destruir meu coração". Ela tinha te machucado. No momento pensei "Como alguém pode machucar alguém tão incrível como ela? Que compôs música para ela???". Tentei te ajudar, começamos a conversar a partir desse dia. Várias identificações, inclusive com a música. Você me compartilhou vários sons que eu não conhecia mas também vários que eu já amava. Tudo foi tão natural, parecia que nos conhecíamos a séculos. No dia seguinte, mesmo sabendo que eu odeio falar ao telefone, você me ligou. E mesmo eu odiando falar ao telefone fiquei 3 horas conversando. Nossas ligações com você super brava pois meu celular nunca colaborava com a gente, com respirações, indagações, conversa sobre o dia a dia. E foi assim dia após dia, as ligações se seguiam as 12h30, 18h00, 23h00. Eu poderia passar 24h ao telefone com você, mesmo que as vezes não falando nada. Você sabe que quase nunca falo nada, mas não tem ideia do quanto gosto de te ouvir. Um dia surgiu a oportunidade de nos vermos após todo esse encanto, dessa vez uma esperando a outra. Íamos ao Lar das Crianças, sabendo que um dos meus maiores sonhos é adotar uma criança. Estava nervosa, ansiosa. Naquela manhã despertei antes do despertador. O dia estava bonito, parecia ser feito para nós. Te enviei mensagem para te acordar como haviamos combinado, mas você já havia acordado também. Faltava cerca de 2 horas para nos vermos. Me arrumei e fui pegar o ônibus, outra coisa que tenha nervo de fazer mas fiz por ti. A espera por ele parecia infinita. Ele chegou e a minha ansiedade aumentava. Cheguei na escola e tive que te esperar por cerca de 40 minutos. Você me ligou, pediu para que eu me encontrasse com você no caminho. Fui e ao momento que vi de longe eu me apaixonei de novo. Nos abraçamos. Queria ficar ali pra sempre, queria morar naquele abraço. E nosso dia começou, você sempre falando muito e eu sempre observando muito. E eu amo isso. Fomos ao lar e acabou que não dando certo. Ganhamos uma carona do pai bravo da sua amiga, rs. Foi naquele carro que você pegou minha mão e me fez carinho. Pegou meu braço, a primeira pessoa que gosta dos pelos do meu braço, coisa que eu particularmente sempre detestei. Eu retribui. Naquele momento parecia que somente nossas almas se tocavam. Nos entreolhamos e eu viajei no  teu olhar. O dia começou, fomos ao centro fazer algumas obrigações. E estar ao seu lado era a única certeza que eu tinha certeza naquele dia. Conversamos muito sobre tudo. Você teve fome e foi aí que fizemos a coisa que iria ficar na nossa memória sempre: fomos comer Yakisoba às 10h00 da manhã. Tem café da manhã mais peculiar? Sentamos naquela mesa e eu não conseguia parar de te observar. Você me fazia tão bem só por estar ali do meu lado, eu estava tão feliz. Depois dali seguimos para um lugar onde ninguém podia nos ver, pois na nossa sociedade é difícil demonstrar afeto em publico. Sentamos naquele lugar que eu falei que não passava ninguém, mas Itapetininga inteira resolveu passar lá aquele dia. Sentamos em um lugar e você deitou no meu colo. Eu fiquei te olhando, nossas mão se entrelaçando, carinho mútuo. Me sentia infinita. Ficamos uns minutos ali e depois nos levantamos para ir na saída da escola. Lembro quando você levantou a cabeça do meu colo, eu te olhei e você me beijou. Foi nosso primeiro beijo e eu nem estava esperando ele naquele momento. Saí do meu corpo. As nossas bocas se encaixaram tão bem, nossos corpos se conectaram, nossas almas te interligaram. O beijo terminou com um sorriso. Seguimos para a escola. Andamos por alguns minutos e voltamos para o local. Passamos o dia tentando se amar, mas sempre aparecia algo peculiar para nos fazer rir, como "Vocês tem seda aí?" hahah. Encontramos um lugar mais silencioso finalmente e a partir daquele momento a melhor parte do dia começou. Podíamos ficar bem juntinhas sem receio de ninguém nos ver. Meu bem, me dei por inteiro. Ao seu lado eu não senti qualquer tipo de receio, apenas queria me entregar. Ao seu toque eu me senti amada, nos seus beijos eu me senti conectada. O dia seguiu e foi o melhor dia que vivi até hoje. Você sabe que vai ficar para sempre na minha lembrança por causa desse dia. Chegou o momento menos esperado do dia: a despedida. Eu não queria que aquele momento durasse, por isso te dei um abraço e logo fui embora. Queria voltar e pedir pra ficar, ou ir junto com você. Mas tínhamos que seguir nossas vidas. E seguimos, agora estamos uma do lado a outra. Toda vez que eu me encontro com você penso o quão sortuda sou de ter você ao meu lado. Tento aproveitar cada segundo, observar cada movimento seu para ficar guardado em minha lembrança. Escrevo tudo isso para que se caso um dia eu esquecer desse momento da minha vida possa voltar e ler. Meu bem, você é muito importante para mim. Eliminou todas minhas dores, me refez. Me fez tua. Não sei o que vira daqui para  frente, mas espero que o que venha seja uma do lado da outra. Eu tenho orgulho de você, da sua arte. Vou dizer, sempre foi um sonho meu estar ao lado de alguém que faz música, rs. Você é perfeita para mim, por mais que não acredite. Eu amo seu jeito agitado, sua extravagância, suas brincadeiras bobas, suas cantadas de pedreira, a forma que quer ajudar a todos, sua voz, você tocando violão, o seu sorriso, seu olhar, seu corpo, sua alma. Agora, pensa naquele olhar que fazemos uma pra outra e no sorriso de ambas quando percebemos que ficamos um tempo olhando já. Eu quero isso pra minha vida toda. Tem aquela frase que diz "Que seja eterno enquanto dure e que dure para sempre". Vou sentir muita falta quando você enjoar de mim, afinal, você é Aquariana né amor? Aquarianos enjoam rápido hahah. Quero deixar guardado essas palavras. E pedir desculpa por as vezes não demonstrar tanto, mas quero dizer que meu sentimento é real.

de todas as flores, a mais bonita
meu tal coração de gelo capricorniano derreteu por ti
se quiser, pode mergulhar
eu estou lá no fundo, esperando você chegar
minha paz no meio da ansiedade
meu calor no frio
meu cais

beijo, Lua.

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Algo que estava nos rascunhos

eu já atei as mãos e disse:
"cansei"
mais ainda tenho que estar aqui
presa
sem liberdade para mim
um dia alguém me disse:
"as prisões hoje são outras"
sim
as prisões hoje são outras...

terça-feira, 10 de novembro de 2015

Sobre o mínimo do feminismo.

      

  Conheci o feminismo com 15 anos, ano passado. De inicio não entendi muito o que era tudo isso, e acreditava que era apenas um ideal pelos direitos iguais entre homens e mulheres. Porem, Feminismo é mais que isso; Feminismo é amor.
 Eu nunca me conheci e me amei tanto após conhecer o Feminismo. Desde pequena meus pais me ensinaram através da religião que devemos amar uns aos outros como nós mesmo. Portanto, nesse meio religioso nunca senti amor de verdade. Não estou dizendo que Deus não é amor (isso,no caso, para quem acredita em Deus) mas muitos que o seguem não são. Pelo menos, nesses 16 anos tendo quer ir à igreja aos domingos, eu nunca senti o amor de verdade.
 O Feminismo mudou a minha vida, e tenho certeza que não foi só a minha. Feminismo é luta, esperança, empoderamento, força, paz e, sobretudo, o amor ao próximo. Principalmente a próxim@. 
 Que vivemos em uma sociedade com desigualdade de gênero é fato. Crescer em um mundo feito para homens não é tão fácil como muitos pensam. 
 Crescer mulher é crescer se odiando. Principalmente quando se nasce com os cabelos encaracolados, com muitos pelos sobre o corpo, muito magra e com o nariz mais grosso. Crescer mulher é ter medo de que algo nos aconteça na rua, e se acontecer ser culpalizada pela roupa, lugar, momento que estava. E tantas outras coisas que nos tornam menos nessa sociedade.
 Por isso a necessidade de se aliar ao feminismo. Essa fonte de amor transbordando luta e esperança.
 A primavera, O verão, O inverno e o Outono será das mulheres. Eu acredito e luto!!


segunda-feira, 7 de setembro de 2015



Hoje venho falar do livro de Jostein Gaarder. O Mundo de Sofia. 1991.
 As palavras que escreverei aqui não expressam nem a metade do que eu senti ao decorrer da leitura desse livro. Vamos à "sinopse".
                      Por meio de um romance Jostein Gaarder conta a história da Filosofia. 
 Tudo inicia quando Sofia Amundsen começa a receber bilhetes postais estranhos de um desconhecido. Perguntas um tanto estranhas como "Quem é você?" "De onde vem o mundo?". Os bilhetes são mandados do Líbano, por um major, para um garota chamada Hilde.
  O "mistério dos bilhetes" é o ponto de partida para a incrível história do mundo de Sofia.

Em diversos pontos do livro eu parei e fiquei pensando no que sou, no que somos. Estamos num planeta numa galáxia extremamente gigante. O que somos ? O que acontecerá quando morrermos ? Perguntas que ninguém nunca respondeu com provas concretas e que ficam pulsando, não sei na sua, mas na minha mente. Não sei o que escrever, porém, senti a necessidade de deixar esta lembrança aqui. Vivo num mundo utópico. Ou não vivo? 
                          
       Uma frase do livro que tomei para a vida:
"Somos um grande barco navegando ao redor de um sol incandescente no universo. Mas cada um de nós é um barco em si mesmo, um barco carregado de genes navegando pela vida. Se conseguirmos levar esta carga ao porto mais próximo, nossa vida não terá mais sido em vão." 
- O Mundo De Sofia

  Enfim, deixo para vocês minha indicação de um livro que com certeza lerei mais e mais vezes. E talvez nunca consiga entende-lo. Parto daqui para "O Mundo de Larissa".




sexta-feira, 13 de março de 2015

Flores e amores


Que toda flor floresça
e no caminho cresça 
Que todo amor domine
o horror que em mim vive.